textura-topo

Linfedema e Erisipela

Foto 1 - sistema linfatico

O que é linfedema?

O sistema linfático é constituído por vasos e gânglios linfáticos distribuídos por todo o corpo. Os vasos linfáticos transportam a linfa para os gânglios linfáticos, no sentido dos membros para o tórax. A linfa é um fluido constituído essencialmente por água, gordura, proteínas, resíduos provenientes das células e microorganismos. Os gânglios filtram este fluido para que o mesmo seja devolvido ao sangue. Este sistema tem papel importante para a imunidade, pois participa da produção de células imunes (como células produtoras de anticorpos e linfócitos) que protegem o organismo contra bactérias e vírus invasores. Se os vasos ou gânglios linfáticos estiverem lesados por algum motivo, a linfa pode acumular-se, provocando um aumento de volume no membro acometido (braços ou pernas). O desequilíbiro entre a produção e drenagem da linfa leva a um inchaço crônico do membro conhecido como linfedema.

agendar-consulta-vascular

Quais são as causas do linfedema?

O linfedema é chamado hereditário (ou primário) quando ocorrem alterações congênitas do desenvolvimento do sistema linfático.

O linfedema secundário ocorre quando há lesões no sistema linfático que previamente era normal. As causas mais comuns de linfedema secundário são traumas, tratamento cirúrgico e com radioterapia para certos tipos de câncer (ex: cirurgia para câncer de mama), invasão do sistema linfático por tumores e doenças infecciosas (Ex. erisipela e elefantíase).

Quais são os sinais e sintomas do linfedema?

As pessoas com linfedema podem demorar anos para o desenvolvimento dos sintomas, e estes podem aparecer lentamente ao longo do tempo. Os principais sinais e sintomas são:

  • Inchaço no membro. Nos membros o inchaço inicia-se geralmente no dorso do pé ou da mão e estende-se superiormente. Este edema não sofre tantas variações com o horário do dia.
  • Menor flexibilidade das articulações devido ao edema
  • Infecções de repetição

O edema crônico no membro torna-o vulnerável à infecções. Pequenos traumas na pele, como cortes, picadas de inseto ou micose entre os dedos pode levar à infecção do sistema linfático (linfangite) e de pele (erisipela).

Linfedemas avançados apresentam a pele fibrótica, endurecida, que é consequência das infecções de repetição.

Foto 2 - Colocar perto de Quais sao os sinais e sintomas

Como é feito o diagnóstico de linfedema?

O diagnóstico na maioria das vezes é clínico. Alguns exames podem ser necessários para descartar patologias associadas, como um Ultrassom Doppler Venoso para descartar Insuficiência Venosa ou Trombose Venosa Profunda.

Em alguns casos é necessária a realização de estudos diretamente da função e anatomia do sistema linfático, como a Linfocintilografia.

Qual o tratamento do linfedema?

O linfedema na maioria das vezes não é curável, porém pode ser controlado com uma terapia de manutenção prolongada, muitas vezes pela vida toda. Entre as medidas de prevenção e controle dos sintomas estão:

  • Uso de meias ou faixas elástica / braçadeiras elásticas compressivas
  • Drenagem linfática por profissional especializado
  • Atividades físicas supervisionadas que estimulem a drenagem linfática
  • Cuidados com a pele: mantê-la hidratada, tratamento/prevenção de micoses ungueais e interdigitais, evitar traumas
  • Elevação dos membros ao repouso
  • Evitar ganhar peso

Pacientes com infecções de repetição devem ainda usar antibióticos profiláticos.

O que é erisipela?

Erisipela é uma infecção de pele que também pode acometer os vasos linfáticos (linfangite). Caracteriza-se por aparecimento de vermelhidão, dor, edema e calor local. Casos graves podem cursar com febre, calafrios, mal estar geral e aparecimento de bolhas.

Os locais mais comuns de aparecimento de erisipela são as pernas, muitas vezes associada a pequenos traumas locais (como arranhões ou picadas de inseto), micoses e calos que servem como portas de entrada para as bactérias. É comum o achado de gânglios aumentados (popularmente conhecidos como “ínguas”).

A erisipela, quando grave, pode deixar como sequela um linfedema secundário. Por outro lado, linfedemas também aumentam a predisposição para o desenvolvimento de erisipela. Dessa forma é fundamental os cuidados para se evitar infecções em pacientes com linfedema crônico.

O tratamento da erisipela é feito com antibióticos, que a depender da gravidade do caso são realizados por via oral ou endovenosa com o paciente internado.

Foto 3 - Colocar perto de O que e erisipela